Glaucoma é a maior causa de cegueira irreversível no mundo

<

A estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, estará iluminada de verde hoje à noite, assim que acabar a missa (prevista para ter início às 17h) no local, celebrada pelo reitor do Santuário do Cristo Redentor, padre Omar Raposo. A ideia é chamar a atenção da sociedade para o Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, celebrado anualmente em 26 de maio. A celebração foi antecipada para as luzes ganharem visibilidade no período noturno — o verde é a cor da Sociedade Brasileira de Glaucoma. Maior causa de cegueira irreversível no mundo, a doença ainda é alvo de descaso de boa parte da população.

A adesão ao tratamento é fundamental para, ao menos, manter a enfermidade controlada. Por ser uma doença crônica, o glaucoma nem sempre é tratado adequadamente pelo paciente, o que pode acarretar problemas mais sérios. “O tratamento consiste no controle da pressão ocular. Na maioria dos casos, consegue-se bom controle com uso de colírios específicos em doses adequadas e com boa aderência dos pacientes ao tratamento. Como é doença crônica e não tem cura definitiva, o tratamento é para o resto da vida e algumas vezes os pacientes se cansam dos colírios”, afirma Nyane Glace Doyle, médica da Prefeitura de Sorocaba na área de oftalmologia e atuando no programa de controle do glaucoma da Policlínica Municipal.

O glaucoma é caracterizado pelo aumento da pressão intraocular. Isso pode acontecer de maneira lenta (no caso do glaucoma crônico simples) ou súbita (no glaucoma agudo). Na maioria dos casos, segundo Nyane, não há sintomas específicos, mas a pessoa pode notar sensação de irritação ocular, vermelhidão nos olhos, dificuldade na visão noturna ou halos coloridos ao redor das lâmpadas. “Nos casos do glaucoma agudo, como a pressão sobe rapidamente, há dor forte nos olhos e na região ao redor dos olhos, turvação súbita da visão, vermelhidão importante nos olhos e pode haver náuseas e vômitos”, explica a médica. Nesses casos, a perda da visão pode ocorrer rapidamente. Por isso, é necessário procurar um oftalmologista com urgência.

Prevenção

Fazer o exame oftalmológico anualmente, com a medida da pressão ocular, é a melhor maneira de se prevenir o glaucoma. Quem é diagnosticado com a doença passa a fazer o tratamento, na maioria das vezes à base de colírio e para o resto da vida — por isso, a adesão e a disciplina do paciente são fundamentais para evitar que a enfermidade progrida e possa chegar ao ponto de causar cegueira irreversível. “O aumento da pressão ocular comprime lentamente as fibras do nervo óptico, reduzindo progressivamente o campo de visão”, diz Nyane.

Fazem parte do grupo de risco pessoas acima dos 40 anos de idade, afrodescendentes, portadores de alta miopia, diabéticos, hipertensos e pacientes que já tenham casos semelhantes na família, principalmente entre pais e irmãos.

Para melhorar sua experiência de navegação, utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.